Notícias

 

Comunicado da ADPP sobre a Covid-19

2020-04-01

O COVID 19 é uma pandemia mundial como nunca vista antes, que está neste momento a afectar a maioria dos países do mundo. O virus ameaça a nossa vida e segurança, principalmente em países subdesenvolvidos, onde a maioria da população já é vulnerável em vários aspectos cruciais para a sobrevivência, como a segurança alimentar, habitação e saúde.

Em Moçambique,  os números continuam a ser mais baixos do que na maioria dos países do mundo, no entanto o país já está a sofrer dos numerosos impactos colaterais da pandemia, tais como perda de emprego, aumento dos preços dos alimentos e falta de acesso a materiais WASH. Como sabemos que, se o país fôr severamente atingido pelo vírus, terá um impacto trágico e esmagador na vida dos mais vulneráveis.

A ADPP está preocupada com o impacto do Covid-19 no nosso país e por isso, começou cedo a tomar medidas para proteger os mais vulneráveis, mas também os mais próximos de nós, tais como: os trabalhadores, estudantes, e as comunidades que já apoiamos, que somam quase 3 milhões de pessoas aqui em Moçambique.

Já implementámos várias medidas de saúde em todos os nossos escritórios, escolas e sedes, fechámos todas as escolas e realocamos 2.000 alunos em 2 dias, iniciámos trabalho remoto sempre que possível, e lançámos uma comissão e grupo de apoio com médicos e outro pessoal de saúde para apoiar todas as pessoas que estão ligadas a nós, trabalhadores ou beneficiários.

No entanto, porque nós da ADPP não deixamos ninguém para trás e sabemos que as pessoas mais vulneráveis, que já sofrem de HIV, tuberculose, desnutrição ou qualquer outra vulnerabilidade serão severamente afectadas por essa pandemia, mesmo que o vírus não tenha uma curva tão crescente, aqui como em outro lugar.

Num país onde mais de 90% da população vive do sector informal, em lares sem condições e sem acesso a água potável, é tempo de nos defendermos. Sem deixar ninguém para trás e acreditamos firmemente que ninguém deve ser deixado para trás.

Para isso, pedimos a todos os nossos parceiros, amigos e doadores que se aproximem de nós e juntos, descubramos como podemos continuar a apoiar estas comunidades.

Os testes e o tratamento para o HIV não podem parar. O impacto económico do vírus COVID19 não pode diminuir a nutrição de crianças e jovens e comunidades já desnutridas. A frágil economia dos vendedores ambulantes de roupas, alimentos ou qualquer outro item da economia informal não pode nem ser abalada, nem mesmo destruída.

Porque não estamos apenas diante de um vírus, estamos diante de uma ameaça para todas as partes de uma sociedade.

Nós da ADPP não deixamos ninguém para trás. Ajude-nos a fazer isso.

Mais Notícias

Mulheres lideram curso de Electricidade Instaladora no  Colégio Politécnico de Maputo
2021-09-23
O Projecto Empoderamento Sócio Económico das Mulheres e Jovens de Moçambique, implementado pela ADPP Moçambique, realizou na sexta-feira última, no Colégio Politécnico de Maputo, a IV cerimónia de graduação de técnicos nas áreas de  Electricidade Instaladora e Tecnologia de Informação e Comunicação (TICs).
Projecto de alimentação escolar encerra após distribuir mais de 76 milhões de refeições nas escolas da província de Maputo
2020-12-18
O Governador da província de Maputo, Júlio Paruque, dirigiu na sede do governo do distrito da Manhiça, a cerimónia de encerramento do projecto de Alimentação Escolar “Comida para o Saber”, da Planet Aid e implementado pela ADPP em parceria com o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano (MINEDH) em quatro distritos da província de Maputo durante oito anos, numa iniciativa financiada pelo departamento de Agricultura dos Estados Unidos da América (USDA).
ADPP lança projecto “Girls Inspire” em Maputo
2022-04-28
Depois de ter implementado o mesmo projecto em Nacala, província de Nampula, a ADPP Moçambique lançou recentemente em Maputo, o projecto “Girls Inspire” ou “Raparigas que Inspiram” cujo objectivo é melhorar as habilidades e meios de vida de 800 raparigas e mulheres jovens, das quais 500 raparigas que frequentam a escola e 300 mulheres jovens que se encontram fora do Sistema Nacional do Ensino.