Notícias

 

4 milhões de pessoas morreram da COVID-19 em todo o mundo

2021-07-19

COVID-19 passa a marca de 4 milhões de mortos e não há sinais de que pare em breve. A desigualdade, a falta de vontade política e a falta de compromisso com a produção em massa de vacinas COVID-19 por parte das nações ricas alimenta a divisão entre ricos e pobres. 

WHO 20210304 GHANA COVAX STORIES 082

O ritmo a que a COVID-19 está a tirar a vida às pessoas é chocante. Há menos de três meses atrás, segundo dados da Universidade John Hopkins, 3 000 000 de pessoas terão morrido devido à pandemia. Estamos a ver novas estirpes mais duras do coronavírus a matar pessoas num curto espaço de tempo.

"O mundo está num ponto perigoso desta pandemia. Acabamos de ultrapassar o marco trágico de quatro milhões de mortes registadas na COVID-19, o que provavelmente subestima o número global", disse o chefe da Organização Mundial de Saúde (OMS) Tedros Adhanom Ghebreyesus numa conferência de imprensa na sede da OMS em Genebra.

A OMS tem atacado as nações ricas que defendem a nacionalização das vacinas  da COVID-1", uma vez que o número global de mortes ultrapassa os 4 milhões. 

"A nacionalização das vacinas, em que alguns países acreditam, é moralmente indefensável. Nesta fase da pandemia, o facto de milhões de trabalhadores da saúde e dos cuidados de saúde ainda não terem sido vacinados é abominável", diz o Director da OMS.

Tedros disse que as variantes estavam actualmente a ultrapassar as vacinas devido à distribuição desigual das doses disponíveis, o que, segundo ele, estava também a ameaçar a recuperação económica global da crise da COVID-19.

A contagem é igual ao número de pessoas mortas em combate durante todas as guerras mundiais desde 1982, segundo o USA Today, bem como três vezes o número de pessoas mortas em acidentes de viação em todo o mundo todos os anos. As autoridades acreditam que o total é uma contagem inferior em muitos países devido a casos não identificados da COVID-19 em vários países.

"As pessoas estão a morrer em grande número em países sem trabalhadores de saúde ou ventiladores suficientes para as salvar e os stocks de vacinas secaram. Veremos muito mais mortes desnecessárias, especialmente nos países em desenvolvimento, que estão a ser atingidos por uma terceira, onda da doença mortal, a menos que as vacinas sejam produzidas em muito maior escala, mais rapidamente e a preços muito mais baixos" diz Anna Marriott, Gestora de Políticas de Saúde da Oxfam e porta-voz da People's Vaccine Alliance.

O que é evidente é que muitas destas mortes poderiam ter sido evitadas se a ciência das vacinas tivesse sido partilhada e a produção de doses aumentadas por mais fabricantes em todo o mundo. 

 

Artigo desenvolvido por Humana People to People

Mais Notícias

2022-07-06
A Eni Rovuma Basin, em nome dos parceiros da Área 4 e em conjunto com a ADPP, inaugurou uma infra-estrutura desportiva escolar na Escola Primária Comunitária ADPP - Cidadela das Crianças, localizada no bairro Costa do Sol, na cidade de Maputo.
2021-06-02
Com 39 anos em Moçambique trabalhando em projectos de desenvolvimento comunitário, a ADPP e seus parceiros, implementaram em 2020, mais de 60 projectos nas áreas de Educação de Qualidade, Saúde e Bem-Estar e Agricultura Sustentável e Ambiente.
2023-10-23
Nove (9) mil mulheres e raparigas dos distritos de Marracuene e Manhiça, estão a beneficiar de um projecto denominado “Empoderamento das Mulheres e Raparigas”, uma iniciativa da Commonwealth Of Learning (COL), com o financiamento do Global Affairs Canada, implementado em 5 países, nomeadamente, Bangladesh, Malawi, Moçambique, Paquistão e Sri Lanka.