Notícias

 

Projecto Nikhalamo empondera mais de 5.000 raparigas no distrito de Namacurra

2020-04-14

Mais de cinco mil raparigas vulneráveis do distrito de Namacurra, na província da Zambézia, beneficiaram-se desde Abril de 2014 até Março de 2020 de um apoio do projecto de educação da rapariga, denominado Nikhalamo (Vou ficar aqui). O projecto foi implementado pela ADPP em parceria com Girls Child Rights (GCR) e financiado pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), e realizou, em Março último, a cerimónia oficial do encerramento de actividades.

Após seis anos da sua implementação, o projecto encerrou com resultados positivos. Face às orientações estabelecidas antes da declaração do decreto presidencial do “Estado de Emergência” em resposta à propagação do COVID-19, a cerimónia de encerramento contou com a participação limitada de apenas cinquenta pessoas, que usaram o momento para celebrar o sucesso alcançado e melhor refletir sobre os desafios para a sua sustentabilidade.

O evento contou com a presença dos vários intervenientes responsáveis pelo andamento do projecto, nomeadamente os oficiais de campo, promotoras de educação, parceiros, lideranças comunitárias, beneficiários, representantes do SDEJT, Chefe do gabinete de Atendimento à Mulher e Criança, Comandante da PRM, directores das 26 escolas envolvidas, e o governo do distrito representado pela S.Excia. Senhora Administradora, Graça Júlio Correia.

O projecto Nikhalamo tinha como foco a retenção de raparigas vulneráveis e órfãs na escola, assegurando a sua conclusão no 2º grau do ensino primário (6ª e 7ª classes) e do 1º ciclo do ensino secundário (8ª,9ª e 10ª classes). Para o efeito o projecto trabalhou em colaboração com os membros das comunidades (lideranças comunitárias, matronas e pais/ encarregados de educação) do distrito de Namacurra para a fácil identificação e acompanhamento das raparigas recrutadas.

O projecto decorreu em 23 escolas primárias e três secundárias abrangendo a um total de 5878 raparigas com idades entre os 10 aos 17 anos, que aprenderam juntamente com 17 Promotoras de Educação e 237 Mentoras, diversas actividades  relacionadas com a saúde sexual reprodutiva, HIV/ SIDA, gravidez precosse, casamentos prematuros e higiene menstrual, com o objectivo de melhorar a qualidade de vida e poderem alcançarem a bons níveis de escolaridade.

Durante a fase da sua implementação, o projecto treinou 76 professores em pedagogias sensíveis ao género e protecção à criança; 260 membros do Conselho de Escola sensibilizados em matéria de género e protecção da criança; distribuiu 2900 pensos reutilizáveis e 1500 descartáveis; 2900 uniformes escolares, 2900 quites de material escolar e 14,172 livros de oitava a décima classes.

Em reconhecimento ao sucesso do projecto na mudança de atitude nas comunidades, Luciano Engolose, Chefe da Localidade de Namacurra Sede, revelou que inicialmente o projecto teve enormes dificuldades para conseguir aceitação dos pais e encarregados de educação, mas a medida que o tempo foi andando a comunidade tomou consciência dos seus objectivos, o que fez com que todos se identificassem com os seus objectivos.

Antes da chegada do projecto a rapariga estava perdida, apenas ocupava-se pelo trabalho na machamba e em cuidar dos seus filhos e o marido. Elas casavam-se cedo, eram estigmatizadas pelos seus maridos e forçadas a fazerem todas as actividades de casa sozinhas. Hoje já existe uma cultura de diálogo no seio das famílias, tornou-se comum a divisão dos trabalhos, as raparigas retornaram a escola e já conseguem alcançar os níveis da sua preferência” – afirmou Luciano Engoloze.

Por sua vez, Tanicha Júlio, uma rapariga com 17 anos de idade que tornou-se beneficiária do projecto aos 12 anos, altura em que acabava de concluir a 6ª classe e sem condições de prosseguir com os seu estudos, agradece ao apoio que recebeu do projecto até a conclusão da 10ª classe. “ Estou bastante satisfeita porque o projecto Nikhalamo apoiou os meus estudos desde a sétima até a décima classe providenciando todo o material escolar necessário, uniforme, pagamento de todas as taxas escolares e formação sobre temas ligados aos casamentos prematuros, gravidezes precoces, HIV e outros assuntos relevantes para uma rapariga”.

Maria Januário, é matrona de educação na comunidade de Malinguíne desde o início do projecto, lamenta o seu fecho mas revelou estar confiante em dar continuidade ao papel que vinha desempenhando porque acredita já ter conhecimento básico e força de vontade para ajudar na retenção da rapariga na escola.

Mais Notícias

2024-04-02
No âmbito de responsabilidade social e em solidariedade com as vítimas da tempestade tropical severa Filipo na província de Inhambane e dos conflitos armados em Cabo Delgado, a ADPP procedeu no passado dia 28 de Março, a entrega à Organização da Mulher Moçambicana (OMM), de três mil e quinhentos quilogramas de roupa diversa em pacotes familiares.
2021-02-08
A educação é um direito humano básico, um bem público e um pré-requisito essencial para a construção de cidadãos responsáveis e que possam contribuir para o Desenvolvimento do país.
2023-05-02
A ADPP realizou a cerimónia de lançamento do Relatório Anual 2022 e, no mesmo evento, procedeu ao lançamento das celebrações dos 30 anos da criação das Escolas de Formação de Professores da ADPP, designadamente Escolas de Professores do Futuro (EPFs).