• Home
  • Latest News
  • Escolas de Formação de Professores da ADPP celebram Bodas de Prata

Escolas de Formação de Professores da ADPP celebram Bodas de Prata

ADPP 25AnosdaEPFMazulaMonteiro

As Escolas de Formação de Professores do Futuro, celebraram recentemente, 25 anos desde a criação da primeira Escola em 1993 na província de Maputo, num evento que contou com a presença de membros do Governo, Corpo Diplomático, académicos, parceiros, estudantes graduados e formandos da Escola de Formação de Professores do Futuro- Maputo.

Falando na ocasião, a Administradora do distrito da Matola, Anastácia Rita Quitane enalteceu o papel que a ADPP através das EPFs, tem vindo a desenvolver no sector da educação em Moçambique, através da formação de professores primários para as zonas rurais. Mencionou igualmente a contribuição desta organização na diminuição do rácio aluno professor.

A educação sempre foi a bandeira da ADPP

Durante o evento, a diretora executiva da ADPP, Birgit Holm, salientou que a organização que dirige sempre fez da educação a sua bandeira, tendo durante os primeiros anos de actividade centrando-se na criação de escolas para as crianças de rua, no ensino de alfabetização e na criação de escolas vocacionais.

Desde 1993 até 2010, a ADPP estabeleceu 11 Escolas de Formação de Professores do Futuro em todo o país e em todas as províncias e no fim deste ano iremos atingir a formação de cerca de 20,000 professores”, disse Holm.

Afirmou ainda que os graduados das EPF’s trabalham para o desenvolvimento não só da escola, mas também da comunidade onde estão inseridos.

Num outro desenvolvimento, a directora executiva da ADPP enalteceu o papel de todos os parceiros que ao longo dos 25 anos apoiaram as EPF’s.

As EPFs formam professores com visão humanística e solidária

ADPP 25AnosdaEPF CoroO Director da Escola de Formação de Professores-Maputo, Sarmento Preço, afirmou em seu discurso por ocasião dos 25 anos das EPF’s que os professores que estão sendo formados trabalham para criar ligações fortes entre a escola e a comunidade, professores que trabalham na luta contra o insucesso escolar.

As EPF’s formam professores que tem uma visão humanista e solidária, que são treinados para usarem os melhores métodos de ensino para obterem os melhores resultados, pois, só assim assumirão um papel de dirigentes participativos na melhoria da qualidade de ensino no país e da vida das comunidades”- afirmou.

“Ter mais competências do que apenas a de ensinar”

Em 1993, o primeiro grupo composto por 50 jovens, dos quais 42 do sexo masculino e 8 do sexo feminino iniciavam as suas aulas na EPF-Maputo. Com jovens oriundos das províncias de Maputo, Manica, Sofala, Zambézia, Nampula e Cabo Delgado.

Segundo o representante do 1º grupo de graduados, tratava-se de uma turma com alta diversidade cultural, facto que constituiu uma das primeiras lições que levariam para toda a vida.

Fomos formados para responder às exigências das escolas primárias onde íamos trabalhar, especialmente nas zonas rurais. Era necessário ter competências mais do que apenas ensinar, mas também, ser um professor com uma visão global, capaz de agir como agente do desenvolvimento da comunidade.” - contam.

As Escolas de Formação de Professores da ADPP, conhecidas como "Escolas de Professores do Futuro (EPF’s)", foram criadas para contribuir para os esforços do Governo de Moçambique para melhorar a qualidade do ensino nas escolas primárias do País.

Ao aumentar o número de professores qualificados e com múltiplas capacidades, as EPF’s desempenham um papel importante no desenvolvimento da formação de professores em Moçambique.

O objectivo das EPF’s é formar professores do ensino primário que são educadores, capazes de liderar várias iniciativas de desenvolvimento comunitário nas comunidades rurais em que a maioria deles irá trabalhar.

Refira-se que ao longo destes 25 anos, as Escolas de Professores do Futuro formaram 18.548 Professores, dos quais 8.458 são Mulheres.