Alimrante Fugante, um menino que beneficia do projecto de Alimentação Escolar

FFK Almirante at school eating3"Alimentando a vontade de aprender"

FFK Almirante1Almirante Fugante Tivane, 9 anos, é uma das crianças que nunca trazia almoço para a escola. Nem tinha uma simples moedas no bolso para comprar um lanche no quiosque ali próximo. Na verdade, Almirante nada comia ao longo de todo o dia na escola. O pequeno e tímido aluno da 1ª Classe passava longas horas na escola com o estômago vazio. Não era por acaso que as letras encaracolado e os sinuosos números escritos no quadro-negro pareciam muito confusos no início. Os professores começavam a perder a esperança com aquele menino distraído.

Como a maioria das crianças nas zonas rurais de Moçambique, Almirante vem de uma família pobre. Como cerca de 45% das crianças no país, também ele viva em desnutrição crónica. O seu pai é um fabricante de cestos e a sua mãe trabalha numa minúscula machamba, mas a família não podia pagar mais de uma refeição por dia, quase sempre composta por uma papa de farinha de milho tradicional chamada xima. Só em ocasiões especiais lhe serviam uma folha de mandioca ou repolho cozido.

A vida tornou-se ainda mais difícil quando o pai de Almirante faleceu e deixou a sua mãe sozinha para criar dois filhos rapazes. Foi nesta altura que o irmão mais velho de Almirante, que tinha abandonado a escola, foi mandado embora para ser criado por outra família.

Almirante teve mais sorte: durante o seu primeiro ano escolar, a escola primária onde ele estudava foi selecionada para se beneficiar do Projecto de Alimentação Escolar. Graças à refeição diária servido na sua escola, Almirante foi capaz de ficar junto da sua mãe e continuar a ir à escola - agora sem o estômago vazio!

Hoje, dois anos após o início do Projecto de Alimentação Escolar da ADPP, Almirante parece ser uma pessoa diferente. O agora aluno da 3ª classe cumprimenta os estranhos orgulhoso e com um sorriso generoso e tem um brilho especial nos olhos quando se fala sobre a escola. Graças aos Clubes de Aprendizagem extra-curricular organizados pelo programa da ADPP, no contexto do Projeto de Alimentação Escolar, as letras e os números no quadro-negro começaram a revelar os seus segredos e a fazer sentido na sua mente curiosa. Almirante agora sabe como escrever o seu nome e sabe o alfabeto de trás para a frente. Além disso, tem crescido mais rapidamente do que em muitos anos, alcançando o tamanho de muitos dos seus colegas antes mais fortes em altura e peso e aos quais agora se junta sem hesitação nos jogos de futebol.

"Estou muito orgulhosa do meu filho", diz Rosalina Muchanga, a mãe de Almirante. "O meu filho costumava ser tão pequeno e parado e passava a maior parte de tempo sozinho. Agora desde que ele está a comer a papa de soja na escola, está a crescer para ser um grande garoto – um menino lindo! Ele vai para a escola com uma grande quantidade de energia e brinca com os seus amigos. Eu acho que ele é mais feliz do que nunca."

Como que para provar isso, Almirante agarra na cesta que seu pai tinha feito para transportar os seus livros escolares, coloca-a em volta do pescoço com um movimento despreocupado e corre em direcção à escola.

Rostos - Educação