Ismail Mujala, estudante do curso de "Desenvolvimento Comunitário" no ISET/OWU

Ismail3"Mal posso esperar para arregaçar as mangas e começar a trabalhar"

 

Ismail2Ismail Mario Mujala sempre foi um aluno brilhante. Irmão mais velho de cinco filhos de um funcionário do banco e de uma mulher polícia de Nampula, o jovem de 21 anos de idade começou a fazer o curso de licenciatura em Gestão e Marketing numa Universidade da cidade logo que concluiu o ensino secundário. Em breve, ele e os seus pais saberiam que a vida iria mudar drasticamente.

"Um dia deparei-me com um folheto que falava sobre um curso de 3 anos em Desenvolvimento Comunitário, ministrado a mais de dois mil quilómetros de distância, na One World University", lembra Ismail. "De repente, senti que o que estava a aprender era vazio e sem sentido. Eu queria fazer algo mais pelo meu país – alguma coisa através da qual eu poderia realmente mudar a vida das pessoas e ajudá-las a sair da pobreza. Ao perceber que havia um curso que me poderia preparar para fazer isso, fiquei realmente animado. Nem pensei duas vezes!"

Estudar na One World University acabou por ser mais desafiador e mais desafiante do que Ismail tinha pensado inicialmente. "Viver num ambiente de internato e sabendo que não iria ver a minha família por mais de dois anos foi difícil no início", lembra ele.
Os meus estudos e a vida muito intensa na OWU e motivadora em breve me fizeram esquecer tudo isso: eu devorava tudo o que podia ouvir, ler, experimentar, desde o português à matemática e à história até muitas habilidades para a vida, técnicas de comunicação e cursos de liderança – tantas matérias fascinantes que me ajudaram a ver o desenvolvimento comunitário de uma forma mais estruturada.", conta com verdadeiro entusiasmo.

A parte mais emocionante dos estudos foi, no entanto, o período de especialização de seis meses realizado nas comunidades de Nwachicolane em Chokwé, província de Gaza. "A melhor coisa nos estudos da OWU é a forte ligação entre a teoria e a prática", explica Ismail. "Foi nas aldeias de Pamoane e Titite que tudo o que tinha estudado durante a minha licenciatura foi posto à prova. Identifiquei as razões locais da pobreza, fiz um plano para lidar com algumas delas e ensinei tudo o que sabia sobre higiene e nutrição aos membros da comunidade. Em contrapartida, foi-me dada uma experiência em primeira mão sobre como implementar de forma holística iniciativas de desenvolvimento, trabalhar com grandes grupos de forma inclusiva, actividades de liderança comunitária através de uma abordagem participativa, encontrar soluções eficazes para futuros desafios e comunicar com vários tipos de pessoas. Também aprendi várias novas habilidades que serão úteis quando trabalhar em contextos rurais, incluindo a forma de aumentar a ingestão de cálcio numa dieta pela adicção de casca de ovo nos alimentos ou tratar uma dor de dente com ervas locais!", descreve Ismail.

Actualmente na recta final do curso de 3 anos em Desenvolvimento Comunitário - Lutando ao Lado do Pobre, Ismail não tem quaisquer dúvidas sobre o seu futuro: "Eu me sinto-me confiante e pronto para começar a trabalhar como o técnico de desenvolvimento comunitário que sempre quis ser. Esta será a minha contribuição para o desenvolvimento do meu país. Mal posso esperar para arregaçar as mangas e começar a trabalhar!"

Rostos - Educação